terça-feira, 25 de março de 2008

Balzac e o jornalismo


Honoré de Balzac e o jornalismo
Balzac foi um grande analista de seu tempo, criou um mosaico humano com uma quantidade imensa de personagens que chegaram os mil tipos.Analisou implacavelmente todos os setores da sociedade de seu tempo, o que, hoje, tem um grande valor histórico. Porém, não é só historicamente que suas obras são valorosas, o caráter e o sentido de suas análises são absolutamente atuais. Seus tipos podem ser trazidos ao nosso tempo sem perda alguma de sentido.
Suas análises da mídia não são diferentes. Na obra Monografia da Imprensa Parisiense, Balzac analisa a impresa, os jornalistas, os proprietários dos jornais, e a relação entre a imprensa e o poder. Com grande acidez e um humor bastante original, ele mostra todo o lado podre da imprensa de sua época, que, diga-se de passagem, é praticamente o mesmo, com pequenas atualizações, da imprensa de hoje. O tom crítico de suas análises nos faz atentar para a relação de Balzac como pessoa, com o jornalismo. Teria ele alguma mágoa do jornalismo?
Sabe-se que Balzac durante três vezes tentou criar períodicos em Paris. Em nenhuma delas ele obteve sucesso, duraram poucas edições e consumiram os recursos do escritor que já vivia constantemente endividado. Pode-se dizer que ele refletiu essa mágoa no seu livro? Não podemos dizer até que ponto suas análises são inflenciadas por seus fracassos pessoas, porém elas refletem o gênio do grande escritor, que, com o caráter analítico produziu uma obra que se aproxima do jornalismo no que ele tem de mais brilhante. Ou seja, por Balzac, o jornalismo é analisado sob a ótica de um escritor que, fazendo literatura, usou do que o jornalismo tem de melhor.
Serviço:
Os Jornalistas, Honoré de Balzac.
20,30 R$

Um comentário:

Tolos pensamentos disse...

Olá Josias,

Acabei de ler a matéria sobre o seu avô no Diario de Pernambuco. Achei emocionante, mas deixa eu explicar o motivo do deslumbramento pelo seu trabalho.
Meu nome é Edméa Ubirajara, também estudo Jornalismo, mas em Caruaru e estou tentando dar início a uma pesquisa sobre a minha avó: Edméa Cavalcante Cruz. Trabalho demais e não consigo tempo para fazer isso. Ela pode não ser tão criativa quanto o seu avó, mas tem uma história bonita e gostaria de homenageá-la. Então, gostaria de ter contato com você para conseguir dicas de como começou, por onde começou, esse tipo de coisa.

Parabéns pelo seu trabalho, aguardo retorno.

Grande abraço